quinta-feira, 5 de maio de 2011

OBVIEDADES

Foto da web

Ah, se não fossem as pontes,
As fontes,
Os túneis,
O ontem!
Para transpormos os vales,
Vale lembrar os túneis
Que atravessam montanhas!
O hoje não seria assim
Com cheiro da flor de jasmim,
E ai de mim,
Seria o fim
Se não houvesse o amanha,
Pois hoje é ponte do ontem,
Que no conjunto são fontes.

Por: Salete Cardozo Cochinsky - Porto Alegre/RS outono de 2011

6 comentários:

Everson Russo disse...

Todos são elos de vida,,,de amor,,,de coração,,que sempre unirão a vida...e os laços de amor...grande beijo de bom final de semana...

Daniele Barizon disse...

Salete, querida,

Bom te ver bem e na ativa. Já diziám os antigos historiadores: "Historia, magistra vitae..." Que é o hoje senão complemento/resultado de nossos esforços do ontem? Bom mesmo é quando nossas recordações nos são caras.

Bjs!!

Djabal disse...

A louvação do caminho. Somos todos, creio, prisioneiros da expectativa.
Quando o amanhã se torna hoje, gostaríamos que estívessemos ainda no ontem. Só que você canta como poesia e eu não.
Seus cantos fazem muita falta. Parabéns & Beijos.

Lau Milesi disse...

Lindo, Sally!!! Nem fale...as pontes e os túneis são fundamentais quando resolvemos sair por aí... :)Cortam caminhos, não é Sally?
Um beijo duplo pra você: pelo belo post e pelo Dia das Mães.
Um beijinho pra sua mãezinha também.
Com carinho:

Lau

Tere Tavares disse...

Os adereços que se postam ao caminhante, seja presente ou futuro, passado ou devir, há-de vir o instante de frescor, sem ou com as linhas do tempo: vale contar e cantar!
Um feliz dia das mães querida amiga.

Beijo

Salete Cardozo Cochinsky disse...

Bom encontrar vocês aqui.
Grata pelo intercâmbio de idéias. Elas se somam, diminuem, multiplicam e dividen-se através das várias perspectivas.
Beijos a todos