sexta-feira, 13 de maio de 2011

OS VERSOS DO ADVERSO


Imagem Reflexão - Imagem pintura Mulher na Toallete - uol



Pesquisando textos mais atuais sobre afetos e emoções para indicar como bibliografia para uma supervisionanda, encontrei esse belo e tão realista texto poético de FERNANDO PESSOA, num trabalho publicado por Carlos Pinto Corrêa (2)
Psicanalista. Membro do Círculo Psicanalítico da Bahia

Entendi que merecia ser compartilhado.


"E a vida sempre me doeu, sempre foi pouco, e eu infeliz.
A certos momentos do dia recordo tudo isso e apavoro-me,
Penso em que é que me ficará desta vida aos bocados, deste auge,
Desta estrada às curvas, deste automóvel à beira da estrada, deste aviso,
Desta turbulência tranqüila de sensações desencontradas,
Desta transfusão, desta insubsistência, desta convergência iriada,
Deste desassossego no fundo de todos os cálices,
Desta angústia no fundo de todos os prazeres,
Desta saciedade antecipada na asa de todas as chávenas,
Deste jogo de cartas fastiento entre o Cabo da Boa Esperança e as Canárias.
Não sei se a vida é pouco ou demais para mim.”


Por: Salete Cardozo Cochinsky - outono de 2011

7 comentários:

Lau Milesi disse...

Muito bonito, Sally, obrigada pela partilha. Concordo com o poeta quando diz que a vida me é pouco.Queria, quero mais e mais...vida. Mas não me sinto infeliz. Nunca senti.Até hoje, nesse momento, não. Me preocupo com o adverso...e espero que ele nos seja sempre bem pouco,já que é inevitável.
Um beijo. Adorei o post!!

Tere Tavares disse...

O ad-verso! Adicionar algo ao que diz Fernando Pessoa me parece inútil. Tão bem o diz, tão fortemente o entende, tão absoluto se faz entender.
Bela postagem Salete.

Beijos

Salete Cardozo Cochinsky disse...

O Lau
Bom ver você aqui. Na verdade, entendo que para o Fernando Pessoa, assim como para mim o conceito de infeliz é força de expressão, tanto quanto feliz. É um sentimento rápido e fugaz, mas não acredito que ninguém seja feliz ou a não ser que QUEIRA seja infeliz.
O poeta ou escritor usa palavras, conceitos de uma maneira, dramática, cômica, tragicômica para dar força a um conteúdo.


Tere, querida
Com certeza. Fernando Pessoa foi e é um poeta que sabia colocar os afetos de forma poética e indicutivelmente irretocáveis.
Beijos a vocês.

antes blog do que nunca! disse...

Querida Salete...que bom é partilhar...de tudo um pouco e um pouco de tudo.

"Recompensa com uma fonte inesgotável a quem te presenteou com uma gota d' água".

Obrigada.

1 Bj*
Luísa

Salete Cardozo Cochinsky disse...

Olá Luíza
Também é recompensa cada acréscimo que cada um faz. Creio eu, que é isso que alimenta nossa alma, nossa crença no amor fraternal, no carinho e cuidado com o outro. Afinal, todos um dia ou outro diante nos defrontamos com esses aspectos da vida. A IDA no que seja metafórico ou de fato.
Beijos

UIFPW08 disse...

Ola Salete obrigadfo pela visita, Eu gostei desta música graças para colocá-lo em seu blog
Morris

Djabal disse...

"Nâo creio alto na felicidade dos animais, senão quando me apetece falar nela para moldura de um sentimento que a sua suposição saliente. Para se ser feliz é preciso saber-se que é feliz. Não há felciidade em dormir sem sonhos, senão somente em se despertar sabendo que se dormiu sem sonhos. A felicidade está fora da felicidade."

Do mesmo autor. A ironia e inteligência dele, assim como a suprema inteligência emocional que verte de suas palavras é, de fato, envolvente. Obrigado sempre. Besos.