domingo, 12 de junho de 2011

DESALINHO


“Con tal que las costumbres de un autor, sean puras y castas, importa muy poco que no sean igualmente severas sus obras”
Don Tomás de las Torres no prefácio de seu livro POEMAS DE UN AMADOR



Cartas na mesa
Desfazem a beleza,
As surpresas,
Também a ilusão.

Nas cartas cruzadas
Há encruzilhadas,
Lembrando as estradas
Que serão traçadas
Para continuar.

Retoma a jogada
Com cartas marcadas
Intimida? Não.
É chão
Nunca percorrido em vão.

De um singular,
Leveza ou tensão,
Põe-se a navegar,
Vago em desalinho
Ondas de um laguinho
Hei de atravessar.

*******************************************************
Tradução da autora


Desaliñado

Cartas sobre la mesa
Deshacer la belleza,
Las sorpresas
También la ilusión.

En las cartas cruzadas
Ha encrucijada
Recordando las carreteras
Que serán señaladas
Para continuar.

Otra vez al juego
Con cartas marcadas
Amenazador? No.
Es la tierra
Nunca viajó en vano.

Del uno singular,
Suavidad o la tensión,
Ponerse a navegar,
Vacante en desaliño
Las olas de un laguna pequeña
Voy a pasar.

Por: Salete Cardozo Cochinsky, junho de 2011

20 comentários:

Claire disse...

You have an informative blog. I’ve learned something from it. I do have mine too www.claire-fernandez.blogspot.com... thanks

Daniele Barizon disse...

Salete,

Será o jogo da vida que ilustra o poema? Ou o jogo do amor? De toda forma, um está contido no outro, all right??

Bjs e boa semana!!

Tere Tavares disse...

Gostei do conhecer o autor e a tradutora - bela postagem Salete.
Abraço

Dalton França disse...

E a Sorte está lançada!!!
Grande beijo pra você, Salete!

Salete Cardozo Cochinsky disse...

Good morning Claire, Dani, Tere and Dalton
Thanks for visiting Claire, It's alright Yes, Dani, and poetry of my own, Tere.
Yes, they get bored that life and love letters are analogous to what we imagine that we have, to what we and others have.
Beijos a vocês

Vinicius.C disse...

Olá boa tarde!!

Passando para conhecer seu blog!

Adorei viu- um prazer estar aqui!

Se puder- venha conhecer meu blog beijo!

Everson Russo disse...

Simplesmente lindo esse jogo da vida exposto sobre a mesa,,,,grande beijo de bom dia pra ti querida.

Raquel disse...

Saly

Bom ler em espanhol, e melhor ainda sentir que cartas (virtuais) entrelaçaram nosso caminho, e me fazem trilhar um caminho que me trouxe aqui, e que nos faz encontrar em outros cantos percorridos.

Besosss

Claire disse...

thanks for visiting my blog...

Claire disse...

once again, i really appreciate your encouraging messages on my blog...i was thankful that still somebody acknowledge my work though its the saddest story of my life...take care

Everson Russo disse...

Um belo dia pra ti querida...beijos.

Djabal disse...

uma carta uma brasa através
por dentro do texto
nuvem cheia da minha chuva
cruza o deserto por mim
a montanha caminha
o mar entre os dois
uma sílaba um soluço
um sim um não um ai
sinais dizendo nós
quando não estamos mais


Gosto muito do Leminski e gostei também da poesia que você escolheu.
Ambas dão um sentido de caminho percorrido, um pelo deserto, outro pelo laguinho. Sempre um caminho, sempre encruzilhadas. Belo, ameno e substativo. Obrigado. Besos.

Everson Russo disse...

Beijo super carinhoso de bom dia pra ti querida,,,muita poesia no coração e na alma...

Lau Milesi disse...

Hola Sally!!! Tudo bem? Cartas na mesa são decisivas em quaisquer situações, né não?

Lindo post!!

Estou de volta e agradeço seu carinho na minha despedida.

Beijosss

antes blog do que nunca! disse...

Olá Salete,

as tuas palavras estão alinhadas e prosseguem rumo a um horizonte só teu.

Atravessa...do outro lado há sempre muito a descobrir.

1 Bj*
Luísa

Kimbanda disse...

Maravilhoso jogo de palavras.
A travessia faz-se metendo-nos ao caminho.

Beijo e kandandos meus.
Grato pela companhia lá na "serra"

Toyin O. disse...

Nice blog:)

Salete Cardozo Cochinsky disse...

Obrigada pela interlocução. Vamos nos reiventando, nos construindo a partir desse meio também.
Beijos

Nina Pilar disse...

poema lindíssimo, não conhecia, amei.
encontrei o seu blog la no Do Lado de Cá, e resolvi entrar pra conhecer... e já devia ter vindo a mais tempo , parabéns pelo blog.
este poema é lindo e tem força e imagens... belíssima frase
"Intimida? Não.
É chão
Nunca percorrido em vão. "...

beijinhos amiga.
uma excelente semana pra ti

Multiolhares disse...

cartas que jogamos durante a vida que passamos a caminhar entre caminhos e encruzilhadas
bjs